21 novembro, 2006

Games violentos são responsabilizados por ataque na Alemanha

Importantes parlamentares alemães exigiram uma investigação sobre videogames violentos e jogos de simulação de guerra por conta de suspeitas de que eles influenciaram um jovem a atacar sua ex-escola com armas e explosivos.

O rapaz de 18 anos que invadiu uma escola primária de Emsdetten encapuzado na segunda-feira feriu 27 pessoas antes de cometer suicídio.

O jovem, identificado apenas como Bastian B., era conhecido das autoridades e seria enviado a um tribunal nesta terça-feira por acusações de porte de armas, informou a polícia local. Segundo informações da mídia local, ele era fã de jogos de simulação de guerra.

Wolfgang Bosbach, vice-presidente do partido democrata cristão (CDU), da chanceler alemã, Angela Merkel, informou que chegou a hora de considerar a proibição de jogos que simulam matança desenfreada.

"Precisamos de diretrizes efetivas para proteger as crianças de serem expostas a diferentes tipos de mídia, nós não precisamos de jogos de matança que podem levar uma barbárie", disse Bosbach segundo o site noticioso Netzeitung.

O parlamentar afirmou que estudos científicos mostram que videogames violentos têm efeitos perturbadores sobre algumas crianças.

Christa Stewens, representante de órgãos de defesa da família no conservador Estado alemão da Bavária, pediu por uma proibição nacional de jogos de simulação de guerra como paintball e de pistolas de laser, nos quais os participantes fingem matar um ao outro com armas que disparam balas de tinta ou laser.

"O governo federal precisa proibir de maneira definitiva jogos de simulação de matança... A Bavária tem uma proibição como essa desde 2002", disse Stewens.

O governo federal alemão tem até agora se recusado a proibir tais jogos.

A oposição Verde fez um alerta contra o banimento de games violentos e de guerra.

Volker Beck, um dos líderes dos Verdes no Parlamento alemão, disse que seria melhor concentrar o debate sobre o uso correto de computadores e evitar conclusões precipitadas de se determinar o que motivou a violência de Bastian B.

Nenhum comentário: